Notícias

Voltar
11/08/2021

Biossegurança será o diferencial para proteger a suinocultura brasileira da peste africana


Biossegurança será o diferencial para proteger a suinocultura brasileira da peste africana

Uma doença altamente contagiosa, que apesar de não ser nociva aos humanos tem a capacidade de dizimar rebanhos, a peste suína africana (PSA) chegou às Américas e volta a preocupar os suinocultores. A doença foi tema do Painel Biosseguridade desta quarta-feira (11), do 13º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS). O evento é realizado virtualmente, com transmissão a partir de Chapecó.

A doença, que já afetou a China e países da Europa, foi registrada pela República Dominicana no fim de julho. Essa é a primeira vez, desde a década de 80, que um país do continente americano confirma casos da PSA.

O engenheiro agrônomo Leandro Hackenhaar falou sobre o poder destrutivo da peste suína africana, transmissão, sinais clínicos, controle e erradicação, além de seus impactos no mercado suíno internacional.

Originário da África, o vírus que provoca a PSA foi identificado há mais de cem anos. A doença provoca perda de apetite, febre alta, sinais respiratórios, hemorragias na pele, vômito, diarreia, sinais clínicos estes que podem levar à morte de suínos e javalis. As taxas de mortalidade podem chegar a 100%.

Em 2018, um surto da peste suína africana na China provocou prejuízos gigantescos. Foi considerado o maior do mundo, arrasando criações inteiras e trazendo desequilíbrio para o mercado global de carnes. Ainda em 2019, o vírus se espalhou por outros países do continente e também contaminou criadouros na Europa.

Além das granjas com baixa tecnificação, que não conseguem alcançar medidas de biossegurança fortes, os animais selvagens, como os javalis, são o grande empecilho para a erradicação da doença. No caso dos javalis, o grande problema é que o vírus pode permanecer na carcaça dos animais por mais de um ano e qualquer animal que tiver contato pode se contaminar e transmitir a doença. Por outro lado, Leandro afirma que os javalis não são responsáveis pela rápida disseminação. A doença só atravessa continentes com tanta rapidez por causa dos humanos.

O mundo globalizado envolve grande movimentação de cargas e pessoas e assim a doença se propaga de forma mais acelerada. “Na verdade, o grande vilão é o ser humano que, por falta de conhecimento ou simples desrespeito aos cuidados com a saúde, leva consigo a doença, principalmente nos alimentos, que acaba chegando aos suínos selvagens ou às produções de baixa tecnificação”.

O especialista alerta que para serem efetivas a longo prazo, as medidas de contenção ao vírus precisam ser continentais. “O controle de javalis, o controle de granjas pouco tecnificadas e o cumprimento das normas internacionais de biossegurança estipuladas pela OIE, são chave para reduzir os efeitos da PSA em áreas contaminadas e evitar sua disseminação”.

Entre as medidas de combate, Leandro citou também a compartimentalização que, apesar de ainda não ser mundialmente aceita quando se trata da importação de carne suína, pode ajudar a amenizar as consequências da entrada do vírus em uma nação, por dividir o país em áreas com diferentes status em relação à doença e, assim, permitir que outras regiões sigam com maior liberdade para produzir e comercializar.

A esperança também está na vacina. Porém, ainda não há nada concreto até agora. “Apesar de vários anúncios otimistas sobre alguns progressos relacionados ao desenvolvimento, ainda é difícil prever quando haverá uma vacina efetiva comercialmente disponível.”

Leandro chama a atenção, ainda, para a desinformação e para os riscos de que alguns produtores, ao identificarem que o seu rebanho tem PSA, se desfazem dos animais o mais rápido possível para evitar prejuízos, como ocorreu na China e no Vietnã, fator responsável por disseminar tão rapidamente a doença naquela região. “O produtor não pode ter medo de falar que tem peste suína no seu rebanho, ele tem que ter coragem e incentivo para falar. Por isso, a importância de fomentar programas que transmitam para o produtor a garantia de que ele será ressarcido de alguma forma por ter os animais abatidos, orientando os mesmos a informarem imediatamente as autoridades em caso da menor suspeita de PSA. Isso é fundamental para reduzir o efeito da contaminação”.

Embora a suinocultura mundial não esteja mais no “olho do furacão", o especialista afirma que seguimos em meio à tempestade e o setor ainda passará por instabilidade, já que o vírus está em praticamente todos os continentes. Para mudar esse cenário, atuar somente no território nacional não será suficiente. “As ações não devem focar apenas no nosso país, mas sim em todo o continente. Acredito muito nas parcerias público-privadas, em somar esforços para as ações serem rápidas e eficientes. Em caso de disseminação do vírus no Brasil, por conta da suinocultura moderna que nós temos, não veremos o mesmo desastre que acometeu a China, mas precisamos nos proteger para que isso não aconteça, porque uma simples notificação de que há um foco de PSA será desastroso para qualquer país exportador. Investir na biossegurança é o diferencial”, pontuou.

Leandro salientou que o suinocultor brasileiro precisa ficar atento, mas também deve se valer do nosso status sanitário para crescer. “Como em todas as crises, há muitos perdedores, alguns sobreviventes e também aqueles que sabem aproveitar as oportunidades. Nosso desafio é estar preparados como nação para aproveitar as oportunidades do mercado. Aproveitar que somos um país livre da doença, garantir que nossas granjas não sejam afetadas, exportar e ter tranquilidade na produção. Essa tem que ser nossa meta”, finalizou.

12ª BRASIL SUL PIG FAIR

Em paralelo ao 13º SBSS, ocorre a 12ª Brasil Sul Pig Fair. A feira virtual reúne as principais empresas do setor e, além de permitir esse networking com fornecedores, estimula a troca de ideias sobre produtos e inovações na suinocultura.

APOIO

O 13º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de SC (CRMV/SC), da Embrapa, da Prefeitura de Chapecó, da Unochapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

PROGRAMAÇÃO DO 13º SIMPÓSIO BRASIL SUL DE SUINOCULTURA 2021

Data 12/08/2021

13h30 às 13h35 - Painel Nutrição

13h35 às 14h15 - Nutrição de precisão: em busca da máxima eficiência.

Palestrante: Mário Penz

14h15 às 14h35 - Discussão

14h40 às 15h20 - Visão estratégica de ingredientes nutricionais (mercado internacional e impacto interno).

Palestrante: Uislei Orlando

15h20 às 15h40 - Discussão

15h40 às 15h55 - Intervalo

15h55 às 16h - Painel Sanidade

16h às 16h40 - O que não vemos: micotoxinas e suas interações (vacinas, performance, CDRS, desafios entéricos).

Palestrante: Paulo Dilkin

16h40 às 17h - Discussão

17h05 às 17h45 - Papel dos agentes primários e secundários no Complexo de Doença Respiratória dos Suínos e suas interações (foco em Influenza, Mh e APP).

Palestrante: Djane Dallanora

17h45 às 18h05 – Discussão

Outras notícias:


N�cleo Oeste de M�dicos Veterin�rios e Zootecnistas (Nucleovet)

(49) 99806-9548

secretaria@nucleovet.com.br

Estrada Municipal Barra Rio dos Índios
SN, km 359, Rural, Caixa Postal: 343
CEP 89.815-899 | Chapecó | SC


Desenvolvido por BRSIS